economia

Casa da Moeda abrirá ao público uma vez por mês

15/08/2012 11:52

Casa da Moeda abrirá ao público uma vez por mês

Cercada de segurança e esquemas de proteção, a Casa da Moeda vai abrir as portas ao público pela primeira vez. Trinta pessoas, inscritas pela internet, farão um roteiro de três horas para conhecer os setores de fabricação de dinheiro, moedas e medalhas e a gráfica, onde são feitos passaportes, diplomas e selos. A primeira visita está marcada para dia 10 deste mês.

O ponto alto do passeio é o setor de impressão de cédulas. Cada nota que o leitor guarda na carteira levou 12 dias para ficar pronta, em um trabalho ininterrupto - a fábrica funciona 24 horas, em três turnos.


O papel vem de São Paulo, é fornecido pela empresa Arjowiggns, e passa por cinco processos de impressão, nos quais recebe marcas d'água, alto-relevo, fibras invisíveis sensíveis à luz ultravioleta.


O início da visitação pública coincide com o lançamento das notas de R$ 10 e R$ 20, impressas com maquinário recém-comprado pela Casa da Moeda. O equipamento permitiu aumentar o número de cores das cédulas - as antigas tinham 19, agora são 28. Os guias que acompanharão os visitantes revelarão outras curiosidades: as figuras das novas cédulas são formadas por micronúmeros no valor da nota.


A Casa da Moeda imprime 10 mil folhas por hora, cada uma com 45 ou 50 cédulas, dependendo da nota (as de R$ 50 e R$ 100 são maiores). São 2,25 milhões de notas em cada turno de trabalho. Depois de impressas, as cédulas vão para a Seção de Crítica. Mulheres analisam as notas em busca de erros gráficos. "Já tentamos colocar homens para fazer essa tarefa, mas não é o mesmo resultado. As mulheres são mais detalhistas", explica o gerente executivo de impressão de cédulas, Roberto Miguel da Silva, de 57 anos, desde os 16 funcionário da Casa da Moeda.


Silva já imprimiu dinheiro de nomes que ganharam variações ao longo dos anos - cruzeiro, cruzado, cruzeiro real. No fim dos anos 1980, quando mil cruzados viraram um cruzado novo, ele incorporou um carimbo aos instrumentos de trabalho. "O dinheiro perdia zeros e a gente carimbava as notas para informar o novo valor."


O aumento da inflação também é sentido pelo vaivém dos caminhões do Banco Central. Hoje são três retiradas semanais e o cofre chegou a ter um bilhão de cédulas. No passado, as retiradas eram diárias e não havia tempo de armazenar as notas.


A nota preferida de Silva foi a de polímero (aquela de R$ 10, feita em material plástico). Mas não era durável como se esperava. Hoje, sua menina dos olhos é a de R$ 100, que ajudou a desenvolver. "Não é pelo valor, mas é um trabalho que acompanhei, tem cor ali que fui eu que fiz."


Silva não gosta de falar em quanto o setor imprime por ano. "Não trabalho com valores, mas com produto. Neste ano, serão 2,84 bilhões de cédulas. Eu falo para os mais jovens quando chegam: 'Não se deslumbrem, é só um produto. Podia ser selo'."


Ponto cego. Mas há quem perca o controle. Em 14 de janeiro de 2011, sumiram R$ 5 mil em 100 notas de R$ 50. Um funcionário se aproveitou de um ponto cego no sistema de câmeras. Como não foi possível provar a culpa do servidor, ele foi transferido de setor. A Polícia Federal investiga o caso e o sistema de filmagem foi modernizado - não há mais pontos cegos.

 


 

Fonte: Estadão
Link:
http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,casa-da-moe... Copiar Link

 

Comentários